quinta-feira, 10 de Julho de 2014

Celina da Piedade in BABEL SOUND FESTIVAL



Já faltam poucos dias para o Festival BABEL SOUND, na Hungria, e Celina da Piedade é um dos principais nomes em cartaz. O Babel Sound acontece em Balatonlelle, junto ao magnifico lago Balaton, e o evento promete ser um banquete de música do mundo, alegria, dança e gastronomia.


There are few days left for  BABEL SOUND Festival, in Hungary, and Celina da Piedade it's one of the main artists on the program. Babel Sound takes place in Balatonlelle, by the lake Balaton, and the event seems to be a feast of world music, joy, dance and gastronomy.


http://babelsound.hu/index.php?option=com_content&view=article&id=181&Itemid=86&lang=en

quarta-feira, 9 de Julho de 2014

"Roubei-te um beijo" Celina da Piedade + Um Corpo Estranho

Espreitadela à colaboração especial de Celina da Piedade com o projecto Um Corpo Estranho. O tema intitula-se "Roubei-te um beijo". Poderão encontrar mais videos desta sessão, gravada em Setúbal (Portugal) na Sociedade Musical Capricho Setubalense,  na página de youtube do projecto.


Little peek to Celina da Piedade special collaboration with the musical project Um Corpo Estranho. The song title's "Roubei-te um beijo". You can see more of this session, filmed in Setúbal (Portugal) inside the Musical Society Capricho Setubalense, on their youtube page.

Alex gaspar: Serrote Musical/ Musical Saw
Celina da Piedade: Acordeão e voz/ Accordion and voice
João Mota: Guitarra/ Guitar
Pedro Franco: Banjo/ Banjo 

segunda-feira, 30 de Junho de 2014

Celina da Piedade in FMM

Recordando a presença de Celina da Piedade na passada edição do FMM- Festival Músicas do Mundo (Sines, Portugal) com o tema "Calimero e a Pêra Verde".
Para ver o concerto inteiro clicar aqui.


Recalling Celina da Piedade's presence on the last edition of FMM- World Music Festival (Sines, Portugal) with the song "Calimero e a Pêra Verde".
To see the full concert click here.



quarta-feira, 25 de Junho de 2014

Celina da Piedade in Festival MED

A edição deste ano do Festival MED (Loulé) contará com um concerto de Celina da Piedade na noite de dia 27 de Junho!
O MED vai na sua 11a edição, e é já um palco conceituado das músicas do mundo. 
Mais informações em http://www.festivalmed.pt/

This year's edition of MED Festival (Loulé, Portugal) will host Celina da Piedade's concert, on the night of the 27th June.
MED it's on his 11th edition, and it is  a renowed stage for world music.
More info in 

sexta-feira, 20 de Junho de 2014

Tertúlias de Cante Alentejano regressam em Setembro/ The Alentejo singing sessions will be back in September


As tertúlias semanais de Cante Alentejano no Teatro São João em Palmela e na Casa do Alentejo em Lisboa pararam para as férias de verão!
Regressam no inicio de Setembro. 

The weekly Cante Alentejano singing sessions on Teatro de São João in Palmela and in Casa do Alentejo in Lisbon are off to Summer Vacations! 
They will restart in September. 


quarta-feira, 18 de Junho de 2014

TAIS QUAIS, novo projecto que abraça a música do Alentejo / new project embrancing the music from Alentejo


A mesa está posta. Há petiscos, há vinho, há cadeiras onde sentar e uma, duas violas à mão. Sobretudo, há gente, unida pelo prazer de se encontrar e trocar histórias. A música é uma inevitabilidade, surge enquanto expressão desse gosto palpável, dessa simplicidade em que as canções vão soando à celebração da coisa mais simples de todas: estar entre amigos. Os Tais Quais são um grupo assim, “quais oliveiras, olivais, pintassilgos, rouxinóis” (assim o diz a “Moda da Passarada”), sem explicações complicadas.
O Alentejo ocupa a totalidade do reportório deste grupo formado por João Gil, Vitorino, Tim, Jorge Palma, Celina da Piedade, Paulo Ribeiro e Sebastião. As violas, o acordeão, o piano, a percussão, quem sabe uma viola campaniça e um coro de arrepiar. Mas, pelo meio, há também Jorge Serafim, conhecido contador de histórias, que aqui aparece como o anfitrião de um lugar ficcional chamado A Venda do Isaías, e que partilha as suas pérolas de sabedoria desfiando histórias, anedotas, contos populares.
Em ano que pode ser de reconhecimento da UNESCO para o cante alentejano enquanto Património Imaterial da Humanidade, os Tais Quais prometem espalhar o Alentejo pelo país. E fazer novos amigos pelo caminho. Eles que se juntem. A mesa está posta.

TAIS QUAIS facebook


terça-feira, 17 de Junho de 2014

Celina da Piedade "O cante das Ervas" (CD+ Ervas Aromáticas) 2014, com/with Jardim da Boa Palavra


Para ouvir, clique na imagem
To listen click on image



Haverá, com certeza, outras formas de cantar o Alentejo. Mas há uma poética singular por detrás desta ideia conjunta de Celina da Piedade e do Jardim da Boa Palavra: juntar o cancioneiro popular a ervas de produção biológica. A música não existe longe das pessoas. E a música tradicional, sobretudo, confunde-se com o passar dos dias das suas gentes, mistura-se com os afazeres mundanos, com os gestos do trabalho e do recato, trazendo consigo não apenas os cheiros e as palavras da Natureza a toda a volta, mas também, talvez mais simbolicamente, a ligação à terra. Tê minúsculo, atenção. Não é do planeta que se fala, mas do solo, onde nasce a lida, o sustento e, com eles, o cante.

O Cante das Ervas é isto. É chão. Depois nos habituarmos a ouvir a voz e o acordeão de Celina da Piedade no Cinema Ensemble de Rodrigo Leão, onde os caminhos trilhados por vezes são os do etéreo, ou depois de percebermos onde abriga muita da sua música no álbum duplo Em Casa, é agora tempo de vermos onde assenta os pés, onde criou as raízes de onde brota tanto do que toca e canta.

Assim, em O Cante das Ervas, é para o cancioneiro alentejano que somos puxados, para a simplicidade das palavras que nomeiam o ambiente em que nascem, para a sintonia com a oralidade, mas também para o som da viola campaniça ou da flauta de tamborileiro. Tocadas, no entanto, pedindo ao passado e à tradição que ouse contaminar o presente. Na companhia de Alex Gaspar (contrabaixo, adufe, vassouras de palha), Diogo Leal (flauta de tamborileiro e tamboril), Filipa Ribeiro (coros), Fred Gracias (adufe), Marco Pereira (violoncelo) e António Bexiga (guitarra folk e viola campaniça), Celina da Piedade apresenta seis canções que cheiram a terra. E que chegam embrulhadas num prazer físico.

Pela boca se canta e se espalha a tradição, pela boca se bebe o chá do Jardim da Boa Palavra. Pela boca, de ambas as formas, se sorve o Alentejo.



There certainly are lots of other ways of singing Alentejo. But there is a unique poetic quality to this shared idea of Celina da Piedade and Jardim da Boa Palavra: bringing together local tradicional singing and the growing of organic herbals. Music does not exist afar from its people. Roots music, above all, is so entangled with the daily routines of its people that does not actually separate from the everyday labors, from each work and domestic gesture, carrying along the Nature’s smells and vocabulary, but also, even more significantly, a strong connection to the earth. Minor E, mind you. We are not speaking of the planet, but rather of the soil, where the work and its pay are born, and alongside the cante (the Alentejo traditional singing that used to accompany the fields works, just like the blues).

That is what O Cante das Ervas is all about. It sounds the way that soil would want to sound. After getting used to hearing Celina da Piedade’s voice and accordion embellishing Rodrigo Leão’s Cinema Ensemble, where the music often takes ethereal roads, or even getting acquainted with the place where she stores her own musical ideas in the double album Em Casa (At Home), now it’s time for us to see where her feet are landing, where she grew the roots that give birth to her amazing singing and playing.

Therefore, O Cante das Ervas pulls us right into Alentejo’s traditional repertoire, to the words absolute simplicity, to an oral perfect correspondence with the environment where they usually come to life, but also to the sound of local instruments as viola campaniça or flauta de tamborileiro. However, these instruments are played in such a way that its past is boldly contaminated by a contemporary approach. That’s why we hear these six new recordings by Celina da Piedade and cannot be driven away from its earthly source. In order to achieve that, she’s musically escorted by Alex Gaspar (double bass, adufe, straw brooms), Diogo Leal (flauta de tamborileiro, tamboril), Filipa Ribeiro (backing vocals), Fred Gracias (adufe), Marco Pereira (cello) and António Bexiga (folk guitar, viola campaniça). And each one of these songs is wrapped in a sensorial pleasure.

Tradition is spread by word of mouth. Same course this Jardim da Boa Palavra’s tea is meant to be headed. That’s right. These are two different and compelling ways to slowly sip Alentejo.







De novo aqui!/ Here again!



De regresso a esta casa, ponto de partida! Algum tempo depois de ter transferido o seu site para outro espaço na rede, o site de Celina da Piedade regressa a esta plataforma. Novidades já a seguir!

Coming back to this home, the starting point! Some time after having transfered her website to another net space, Celina da Piedade comebacks to this platform. News are coming! 

Photo by Rita Carmo